Sinais Ou Imaginação?

luthiele 23/05/16

Quando tenho dúvidas, fico atento. Atento a mim, claro, e – sobretudo – atento ao mundo lá fora. É que, frequentemente, o mundo mostra-me (através de sinais e metáforas) qual o caminho a seguir. Talvez já tenhas tido experiências semelhantes. Talvez possas, até, ter tido experiências mais fortes – onde o mundo decide, literalmente, qual o caminho a seguir: por exemplo, eliminando todas as alternativas excepto uma!
 
Quando olho para os momentos chave da minha vida (que muitas vezes só são percepcionados dessa forma anos depois de terem acontecido) reparo com frequência na forma como mundo me mostrou, através de sinais, qual o caminho a seguir para que o momento chave pudesse acontecer.
 
Como sabes, somos nós que atribuímos significados aos eventos. Ou seja, esses sinais são, no fundo, produto da nossa imaginação. Sou eu quem interpreto aquela conversa com o vizinho do lado como um sinal sobre como resolver aquele dilema no trabalho. Sou eu que interpreto aquela cena do filme como um sinal de como conduzir a minha vida amorosa. Isso, em si, em nada diminui a força do sinal!
 
É que esta interpretação – pessoal e subjetiva – é produto da informação que tenho disponível no meu inconsciente. Informação poderosa e determinante e que nem sempre valorizo na hora da tomada de decisão. Talvez seja, por isso, precisamente, que lido com incerteza e insegurança! Quando valorizo o que percepcionei como sinal estou a valorizar, na realidade, a informação que o meu inconsciente mostra como valiosa – caso contrário não teria interpretado o sinal como sinal!
 
Durante os próximos dias, presta atenção aos sinais. São, no fundo, comunicação de ti para ti – embora pareça chegada de fora!
 
Fica bem,
 
Pedro Vieira